Por que investir em imóveis?

 Por que investir em imóveis?

 

Imóvel é um dos investimentos mais tradicionais dos brasileiros e também um dos mais desejados.

 

Há cerca de 30 anos um dos únicos investimentos considerados seguros era comprar um imóvel. O próprio ambiente justificava essa crença: inflação galopante, gastos públicos descontrolados e economia atrofiada. Nessa época o lema de investimentos seguro era algo como: “compre tijolo, ele não vai desaparecer” – uma alusão ao risco dos investimentos financeiros.  E fazia todo sentido, pois o ambiente inflacionário corroía o poder de compra da moeda e era muito difícil para qualquer um calcular com a mínima confiabilidade o retorno esperado de qualquer ativo financeiro.

 

Os anos se passaram, o cenário atual é outro, e muitas dúvidas ainda surgem. Nós aqui da Lotus acreditamos que a carteira do investidor deve ter muitos mais “e” do que ‘’ou”. Isso significa que preferimos a mentalidade de ter diversificação no seu portfólio e não apenas ter que apostar em uma única escolha. Imóveis são ótimos investimentos e podem fazer parte da sua estratégia de aplicações.

 

O mercado

 

As vendas de imóveis no segundo trimestre de 2020 registraram alta de 10,5% em relação ao mesmo período de 2019, segundo dados da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc). Só entre os meses de abril e maio foram comercializadas 31.627 unidades de imóveis. A queda dos juros e a perspectiva de que a economia vai se recuperar entre o médio e o longo prazo levam investidores a procurar opções mais seguras, como imóveis, para diversificação de carteiras.

 

Vale lembrar que por conta da pandemia, os lares se transformaram também em escritório, academia, sala de aula e isso acabou mexendo com o mercado de imóveis. Por isso, desde o começo do isolamento social cresceu a procura por imóveis com mais espaço.

 

Aliado a essa procura estamos também no menor patamar de taxa de juros da história. Em 2017, o mercado imobiliário trabalhava com uma taxa de 11% ao ano. Atualmente, opera com menos de 7% ao ano. Isso em um financiamento de 30 ou 35 anos representa um impacto significativo no montante final.

 

 

Vantagens

 

  • Renda mensal – os imóveis podem assegurar aos investidores uma renda mensal através do aluguel e essa renda se torna ainda mais valiosa com a queda na taxa de juros. Com o surgimento de novas empresas que facilitam o processo de locação, a iniciativa demanda menos gestão e traz mais segurança ao investidor.

 

  • Menor instabilidade – é um investimento seguro, que sofre menos impacto das instabilidades financeiras. “Em momentos de crise, quando ativos de renda variável mostram grandes quedas, o preço dos imóveis é pouco afetado”, diz Luiz França, presidente da Abrainc.

 

  • Rentabilidade – quem investiu em imóveis há 10 anos, época em que a taxa de juros era bem atrativa para outros investimentos, teve ganhos superiores a aplicações em renda fixa, por exemplo. Mesmo em um período de alta taxas de juros e marcado por uma forte recessão econômica, que ocorreu entre 2014 e 2018, a rentabilidade média obtida com investimento em imóveis manteve-se estável segundo a Abrainc.

 

  • Valorização – não podemos nos esquecer da valorização que o imóvel pode ter. Valorização essa que costuma ter na média um valor superior à inflação, além de ser um segundo tipo de ganho, já que podemos considerar a renda mensal do aluguel.

 

 

Fonte: Infomoney, Exame e Valor Econômico

 

O mercado imobiliário continuará aquecido em 2021.

O mercado imobiliário continuará aquecido em 2021.

Apesar de estarmos vivendo uma pandemia global, que infelizmente quebrou e desestruturou muitos negócios e economias em praticamente todo o mundo, o mercado imobiliário brasileiro percorreu um caminho inverso em 2020, como um dos segmentos econômicos que mais cresceram em diversos aspectos, tornando-se uma grata surpresa para muitas pessoas, especialmente para os investidores.

Vivemos um ano com excelentes resultados, motivados por fatores distintos, questões diversas e até subjetivas, novos formatos relacionados ao maior tempo de convívio familiar, trabalho em casa e as adequações decorrentes deste, intensificação das relações por meios digitais e a oportunidade do retorno diante do novíssimo cenário, como investimento propriamente dito.

E por se tratar de um segmento específico, com produtos de alto valor agregado, o mercado imobiliário é tradicionalmente muito ligado à créditos quando observamos o desempenho dos números relacionados à comercialização e vendas,  o que tornou a taxa de juros um dos principais gatilhos motivadores de toda essa performance.

Tudo funciona como um ciclo de auto impulsionamento. Na maioria das vezes quem compra um imóvel acaba fazendo a operação através de financiamentos, com as taxas de juros baixas o crédito se torna mais atraente, a compra do imóvel fica mais vantajosa e consequentemente mais pessoas acabam fazendo a aquisição.

Resultado: aumento direto na quantidade e diversidade de lançamentos, melhores oportunidades para comprar e a certeza dos melhores negócios para quem quer investir.

Esse é um dos motivos para o mercado imobiliário estar vivendo um momento tão expressivo, com indicadores positivos e ao que tudo indica, com perspectivas ainda melhores para 2021. Com a demanda pressionando o mercado, movida por diversos fatores, a necessidade por imóveis deve aumentar em todos os segmentos.

Sendo assim, o mercado imobiliário continua atento ao momento extremamente oportuno e segue lançando empreendimentos, a taxa de juros se movimenta dentro de uma margem segura e gradativa e isso tudo resulta em estímulos amplos para a economia. Ou seja, para quem vinha se programando e buscando indicadores sobre onde e como investir em relação ao melhor momento, diante de fatos e perspectivas, saiba: o mercado imobiliário continuará indo muito bem.

 

Redação: Lótus

Procura por imóveis maiores e mais confortáveis cresce durante pandemia

Procura por imóveis maiores e mais confortáveis cresce durante pandemia

Ter espaço nunca fez tanta falta como agora. Afinal, com a nova realidade que nos trouxe o Covid-19, quase todas as atividades estão sendo feitas no mesmo local.

Os lares se transformaram também em escritório, academia, sala de aula e isso mexeu com o mercado de imóveis. Por isso, desde o começo do isolamento social cresceu a procura por imóveis maiores.

Um levantamento feito por um dos maiores portais imobiliários do Brasil mostra que a procura por imóveis com varan

da cresceu 128% em maio de 2020, se comparado com o mesmo período em 2019.

Já em setembro de 2020 o número de pessoas em busca de imóveis com quatro quartos aumentou 58%; por três quartos, 9%. Entretanto, a procura pelos menores diminuiu. Para os de dois quartos caiu 22%, e para um quarto, despencou 37%.

 

Mudança de comportamento

Se antes existia uma tendência por imóveis mais compactos, com boa localização e próximos ao trabalho, agora temos um movimento contrário, no qua

 

l muitas pessoas vão trabalhar em suas residências e estão prezando por mais conforto e espaço, ainda que possa ser distante dos grandes centros.

É importante ressaltar que o Brasil possui 20,8 milhões de pessoas que podem utilizar o home office ou teletrabalho, o que corresponde a 22,7% dos postos de trabalho, segundo estudo publicado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). E o Distrito Federal apresenta o maior percentual de teletrabalho (31,6%) do país, o que representa em torno de 450 mil pessoas.

De acordo com a presidente da Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança), Cristiane Portella, as pessoas estão buscando comprar o primeiro imóvel ou trocar por um maior, pois há uma tendência de valorização do ambiente doméstico, seja para o home office ou para o lazer.

Além disso, estamos no menor patamar de taxa de juros da história. Em 2017, o mercado imobiliário trabalhava com uma taxa de 11% ao ano. Atualmente, opera com menos de 7% ao ano. Isso em um financiamento de 30 ou 35 anos representa um impacto muito grande na prestação. 

E será que vale a pena ter um espaço maior?

O tamanho de um imóvel pode ser um critério fundamental na hora de escolher um lugar para morar. E os espaços maiores, também possuem vantagens, como:

  • Mais possibilidades

Um imóvel de maior metragem expande as opções do proprietário. Muitas vezes é possível  reformar cômodos para ter espaços mais luxuosos e exclusivos.

  • Maior valor de mercado

Adquirir um imóvel maior e de luxo costuma trazer mais rentabilidade de investimento e está entre os mais seguros e menos voláteis do momento, A maioria dos compradores são consumidores finais que buscam, além de conforto, mais espaço, melhor localização e opção para destinar parte de suas reservas em um cenário no qual a renda fixa não se mostra atrativa e há muita volatilidade na bolsa.

Veja porque você deve investir em imóveis agora!

Veja porque você deve investir em imóveis agora!

Ter um imóvel para chamar de seu muitas vezes é mais do que um investimento, é a materialização de um sonho. E é fato que por ser necessário considerar diversos fatores na hora da compra de um imóvel como localização, estrutura, segurança e custo, há momentos que são mais favoráveis para a aquisição do que outros. Afinal, o cenário macroeconômico, a taxa Selic do nosso País, o aquecimento no mercado imobiliário também são aspectos que devem ser levados em consideração.

E por conta dessa avaliação podemos afirmar sem sombra de dúvidas: o momento de investir em imóveis é agora!

Uma grata surpresa 

O mercado imobiliário em 2020 foi uma grata surpresa e as perspectivas para 2021 continuam muito animadoras. Mesmo em meio a uma pandemia global, o ano de 2021 promete ser um excelente ano. E claro, não é por conta da covid-19 que se deve essa melhora e sim, muito mais por conta da conjuntura econômica no País e a taxa selic baixa.

O mercado imobiliário é muito relacionado ao crédito, pois estamos falando de um produto de altíssimo valor agregado. O que isso significa? Significa que na prática quem compra um imóvel na maioria das vezes fará isso através de um financiamento, portanto quando há uma taxa de juros baixa por consequência o financiamento também fica mais barato, a compra do imóvel fica mais fácil e assim mais pessoas acabam fazendo essa aquisição. Em resumo: quando temos crédito facilitado, juros baixos e preços de imóveis atrativos dispomos de uma condição extremamente favorável e um mercado imobiliário aquecido – que é o momento em que estamos vivendo agora.

Novos projetos

No Brasil existe um déficit habitacional muito grande. A necessidade por imóveis é alta em todas as camadas e isso se deve a diversos fatores, como novas famílias em formação, casamentos e divórcios. Essa demanda aquecida faz com que o mercado imobiliário continue produzindo novas habitações.

Segundo um levantamento da Associação Brasileira das Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) feito com presidentes e diretores de 38 das maiores empresas a pesquisa indicou que 97% dos empresários pretendem lançar novos projetos na janela de 12 meses e 92% deles comprarão terrenos no período.

O cenário mudou

Quando comparamos as taxas de juros de 2016 com 2021 fica fácil entender como o momento em que estamos vivendo é muito mais vantajoso para o investimento em imóveis.

Em 2016 a taxa Selic estava 14,15% ao ano, a poupança rendia 0,5% ao mês e o aluguel residencial tinha a média de 0,35% ao mês.

Se em 2016 você quisesse investir 1 milhão, seus rendimentos seriam assim:

– Na poupança renderia em média R$5.000 ao mês;

– Um investimento que garantisse 100% do CDI, já descontando o imposto de renda, renderia em média R$9.400;

– Aluguel renderia em média R$3.500.

Agora veja como estamos:

Atualmente a taxa Selic está rendendo 2,00% ao ano, a poupança está rendendo 0,11% ao mês e o valor de rendimento em aluguéis se manteve inalterado, o que garante que o rendimento em imóveis seja 220% maior do que o rendimento em CDI.

Hoje se você investir 1 milhão seus rendimentos são:

– Na poupança rende em média R$1.200 ao mês;

– Um investimento que garante 100% do CDI, já descontando o imposto de renda, rende em média R$1.300;

– Aluguel rende em média R$3.500. 

Que diferença, não é? Diante desses números conseguimos enxergar um cenário completamente diferente do que era visto em 2016.

Vale ressaltar que quando o assunto é investimento em imóvel é impossível ignorarmos no cálculo a valorização que ele pode ter. Valorização essa que costuma ter na média um valor superior à inflação, além de ser um segundo tipo de ganho, já que podemos considerar a renda mensal do aluguel.

Com todos esses exemplos acima, fica claro que investir em imóveis é uma opção superior aos investimentos em renda fixa, além de trazer segurança, solidez e ter potencial de valorização é uma excelente maneira de diversificar sua carteira de investimentos.

 

Distrito Federal tem o maior IDH do País e chama atenção no setor imobiliário

Distrito Federal tem o maior IDH do País e chama atenção no setor imobiliário

Brasília pode ser considerada uma jovem senhora, afinal tem apenas 60 anos de idade. Com monumentos marcados pelas curvas desenhadas por Oscar Niemeyer, projeto urbanístico de Lúcio Costa e um céu conhecido por sua beleza, a cidade planejada e única é bastante famosa por sua arquitetura.

Além disso, há outros fatores que chamam a atenção como a ascensão do seu mercado imobiliário.

Qualidade de vida e renda alta

Antes de explicarmos o porquê do crescimento vertiginoso do setor imobiliário no Distrito Federal, é necessário apresentar alguns dados. Recentemente, mais precisamente no dia 29 de setembro de 2020, foram divulgados os dados do Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, apresentado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud Brasil) e a Fundação João Pinheiro. Através da plataforma o público pode acessar os dados, filtrar os resultados e conferir os índices de mais de 17 mil localidades. De acordo com as informações publicadas, o Distrito Federal teve o melhor resultado, ficando em primeiro lugar tanto no ranking geral, quanto no da renda e da longevidade. 

Vale ressaltar também que Brasília é a terceira capital mais populosa do Brasil, é também a quarta maior região metropolitana do País e tem média salarial de 8,8 salários mínimos. Todos esses coeficientes representam uma grande oportunidade de desenvolvimento imobiliário no Distrito Federal.

O boom de Brasília

Apesar da crise econômica agravada pela pandemia do novo coronavírus, o mercado imobiliário no Distrito Federal deve passar por um período de ascensão nos próximos dois anos. É o que apontam os dados levantados pela Associação dos Notários e registradores do Brasil (Anoreg-DF) e pelo Conselho dos Corretores (Creci-DF).

Em outubro de 2020 a emissão de registros de compra e venda de imóveis subiu neste mesmo período 19,5% em relação a 2019, segundo a Associação dos Notários e Registradores. Os dados apontam que 3.698 imóveis foram comprados ou vendidos no DF em outubro.

Outro fator que indica o crescimento do setor é o aumento na arrecadação do Imposto Sobre Transmissão de Bens e Imóveis (ITBI). A alíquota corresponde a 3% do valor das vendas de imóveis. Nos primeiros oito meses do ano, o governo arrecadou R$ 48,5 milhões com o tributo, R$ 12 milhões acima da previsão inicial. A projeção é de que esses recursos sejam oriundos de pelo menos R$ 1,6 bilhão em operações de venda de imóveis.

Luiz Antônio França, presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), comenta que o distanciamento social imposto pela pandemia nos fez repensar o melhor uso das nossas residências. Isso deve trazer inovações no mercado, como mais procura por imóveis com espaços para lazer e trabalho. No segmento de alto padrão deve haver uma procura maior por casas e coberturas. Nos demais segmentos, as pessoas devem procurar condomínios com mais áreas verdes.

A vantagem de investir em Brasília

De acordo com o presidente do Creci-DF, Geraldo Nascimento “em Brasília o imóvel não desvaloriza, é o melhor local para se investir”. E ele realmente fala com propriedade. Afinal, para quem quer investir, o retorno, em caso de locação, chega a 6% ao ano, sem falar na valorização do imóvel que no terceiro trimestre de 2020 teve valorização média de 8,66%, mais que a média nacional, de 8,34%.

Residencial Sophistiqué traz conforto e modernidade em imóveis de até 603m²

Residencial Sophistiqué traz conforto e modernidade em imóveis de até 603m²

Empreendimento localizado no Noroeste reúne requinte e tecnologia de ponta. Opções de plantas partem de 303m² e contam com 4 amplas suítes

Recém-inaugurado na quadra 111 do setor Noroeste (DF), o residencial Sophistiqué by Lótus chama a atenção de quem passa pelo bairro. O projeto assinado pelo escritório Gomes Figueiredo Arquitetura e o paisagismo — com palmeiras imperiais — elaborado pela Ana Paula Roseo evidenciam o requinte da fachada de mármore. Porém, por dentro é que o requinte e a modernidade saltam aos olhos e revelam toda a sofisticação – que vai além do nome que o batiza – presente em cada detalhe da construção. Para começar, os moradores não precisam de controles ou de chaves para acessar o interior.

Tudo é feito por meio da tecnologia.

A inteligência artificial dos elevadores permite que cada proprietário acesse apenas o próprio andar e as áreas comuns, como piscina, sauna, deck, sala multiuso, sala de reunião, e academia. No térreo, o sistema de videoporteiro faz registro com foto dos visitantes que interfonam quando os moradores não estão presentes.

O edifício conta com cinco elevadores que garantem halls e entradas privativas a cada uma das 24 unidades. Todos os apartamentos possuem quatro suítes e, pelo menos, quatro vagas de garagem soltas, sem a tradicional “gaveta” (quando os carros têm que ficar enfileirados).

A metragem das unidades tradicionais é de 303m² e das coberturas varia entre 489 e 603m². Todos os imóveis também contam com dois depósitos, um no hall do elevador e outro na garagem que, juntos, adicionam aproximadamente 10m² às plantas.

O empreendimento é o primeiro lançamento da Lótus, empresa fundada em 2018 pelos irmãos Luiz Felipe e Ruy Hernandez. A companhia atua na construção, incorporação, gestão e vendas de imóveis – com empreendimentos residenciais e comerciais em Brasília e nos Estados Unidos.⁣⁣⁣ Atualmente, a Lótus conta com cinco projetos no Noroeste, dois no Plano Piloto e um em Miami.

O primeiro deles, o Sophistiqué, já está finalizado. A localização foi escolhida a dedo: a quadra 111 é considerada a área com o comércio mais completo do Noroeste. Segundo Luiz Felipe Hernandez, um dos sócios da Lótus, das 24 unidades do condomínio, mais da metade já foram vendidas. “Para oferecer mais segurança aos futuros compradores, optamos por uma obra feita 100% com capital próprio. Só fizemos o lançamento após a conclusão, o que ocorreu em apenas 18 meses”, explica.

O residencial Sophistiqué é o primeiro da Lótus Cidade, empresa fundada em 2018 pelos irmãos
Luiz Felipe e Rui Hernandez

Apartamento com jeito de casa

O que você prefere: a segurança de um apartamento ou o conforto de uma casa? Difícil responder, não é mesmo? Melhor é ter os dois. Foi exatamente o que pensamos ao planejar o Sophistiqué. Gostaríamos que cada unidade fosse uma casa suspensa: segura, moderna, funcional e confortável. E assim ele foi concebido.

LUIZ FELIPE HERNANDEZ

A tecnologia também se faz presente no interior dos apartamentos, por meio do sistema de automação sem fios. Com um tablet, que é entregue junto com o imóvel, ou pelo smartphone, é possível controlar todos os equipamentos e pontos de energia da casa: ar condicionado, banheira, luzes, som e etc. Além disso, o sistema de segurança conta com sensor de vazamento de fumaça e gás, detecta se as portas estão abertas e é conectado ao videoporteiro. Outro diferencial: todas as portas podem ser abertas por senha, biometria, cartão ou chave.

O acabamento é um show a parte. Os cômodos são revestidos em mármore e porcelanato. “A exceção são as salas e quartos, que entregamos no contrapiso. Dessa forma, cada cliente tem a liberdade de escolher o revestimento que mais agrada. Essa facilidade foi considerada uma vantagem pelos compradores. Eles gostaram dessa opção de personalização. Além disso, podemos adaptar tudo que o cliente quiser antes da entrega do imóvel”, acrescenta a Luiz Felipe.


Planta de imóvel (101)

Espaços de convivência

O escritório de arquitetura Valéria Gontijo + Arquitetos assina o acabamento do edifício e as áreas comuns. Na garagem, cada apartamento conta com um ponto individualizado de energia para carregar carros elétricos. “A eletricidade consumida é da unidade, não do condomínio”, acrescenta o sócio. Ponto para a segurança: o piso antiderrapante não deixa que os carros deslizem nas curvas.

A academia é o sonho de qualquer praticamente de atividade física. Os aparelhos da linha Artis, da Technogym, são considerados os melhores do mundo: possuem detectores de presença, design anatômico e login para uma experiência personalizada. O residencial é o primeiro e único local em Brasília a adquirir a linha. “Nem mesmo as melhores academias da cidade têm esses equipamentos”, completa o sócio-proprietário da incorporadora.

Negociação

O atendimento aos clientes é feito na Casa Lótus, que fica na CLNW 02/03 do Noroeste. O local conta com ambiente amplo. São mais de 1.200m², com salas de atendimento abertas, cafeteria, salas de reunião coworking, que é oferecido aos clientes Lotus gratuitamente.

Central de vendas

http://lotuscidade.com.br/empreendimento/sophistique
Endereço: CLNW 02/03 | Bloco D | Noroeste, Brasília – DF
Telefone: (61) 3262-0505
WhatsApp: (61) 99648-4354

 

Confira a matéria na Íntegra no site;
https://www.metropoles.com/conteudo-especial/residencial-sophistique-traz-conforto-e-modernidade-em-imoveis-de-ate-603m%c2%b2

Chat Lotus
Precisa de Ajuda?

Fale com um dos nossos corretores agora mesmo!

Abrir Chat